sábado, janeiro 14, 2017

Recursos dos Mestres Renascentistas


La Gioconda  por Leonardo da Vinci, 1506

Quatro sistemas de coloração, ou cânones  surgiram no alto do Renascimento, cada um marcando o trabalho de grandes mestres:- Sfumato ( leonardo da vinci); Chiaro-oscuro ( Raphaello Sanzio e Sebastiano del Pombo); Unione ou Degradèe ( Raphael  Sanzio) e Cangiante ( Michelangelo Simoni)

SFUMATO



Características de Mona Lisa: 1. Fita o observador,2. recurso chiaro-oscuro,  3. sfumato, 4.imagem piramidal onde as mãos são a base e a cabeça o vértice.

Do italiano "sfumare", que significa "de tom baixo" ou "evaporar como fumaça". Recurso canônico geralmente aplicado em pinturas e desenhos. É utilizado para que riscos ou pinceladas desapareçam e reste apenas um degrade da cor. Amenizando contornos ajuda a tornar a imagem bastante nebulosa, constituindo uma forma sutil de sombreamento.
Quando utilizados grafite, carvão ou pastel seco, artistas costumam usar os dedos para esfumar. Ferramenta útil é o esfuminho; um tipo de pincel (ou lápis) com tufo de algodão na ponta (cotonete ?). O esfuminho evita que a oleosidade da pele interfira com o medium de pintura.
Com tintas líquidas ou cremosas são indicados os pinceis macios, geralmente do tipo filbert,  de pelos delicados,  naturais ou sintéticos.
Alguns artistas lixam a superfície pintada entre uma camada e outra.
Leonardo da Vinci pioneiro nesta técnica aplicava-a com maestria  para evitar  percepção de linhas de transição entre luz e sombra mostrando uma perspectiva linear altamente realista. Como é visto no famoso La Gioconda (Mona Lisa).
Afirmava que " luz e sombra devem se misturar sem linhas ou bordas, de maneira que desapareçam gradualmente como fumaça".


CHIAROSCURO




Chiaro-oscuro , do italiano significando claro e escuro, é reprodução  de luz e sombra e a interação entre um e outro, criando efeitos dramáticos,  quando estas variações de valores são usados.
A eliminação gradual de luz ou sombra e o crescente da cor,  a medida que os objetos se distanciam do fundo,  criam a perspectiva atmosférica.
Nas imagens bidimensionais o forte contraste entre claro e escuro cria luz e sombra forçando o olhar do expectador em determinada direção ou ponto focal. Esta condução e realce através do plano de imagem  cria ilusão de profundidade,  apresentando-a como tridimensional.
Da Vinci afirmava que o estudo de sombra e luz é mais complexo que o das linhas e contornos, pois estas podem ser copiadas através de um véu ou vidro colocado na frente do objeto pintado. Por outro lado o sombreamento não admite linhas precisas e necessita de ampla gradação e mistura de cores.
Nosso olho é fototrópico, vê primeiro a luz, logo a imagem de valor mais leve é vista primeiro.  Os valores de luz aumentam quando contrastam com valores escuros. Estes recuam se o contraste é minimizado.
Quando se quer que o objeto apareça distante na imagem  são diminuídos os contrastes para que simule-se que estão desaparecendo.
Leonardo da Vinci dizia que ..." quanto mais longe o objeto estiver, mais azul ele será".
Contraste entre claro e escuro dá enfase à determinado objeto conduzindo o olhar para ele.
A criação desta técnica foi atribuída ao pintor ateniense Apollodoro,  no início do Século V.  Antes de Cristo (A.C.)

UNIONE OU DEGRADÈE


A Bela Jardineira de Rafael Sanzio di Urbino 

Significa união de planos, onde as bordas são bem acabadas sem o enfase dramático do escuro contra luz ou da  luz contra escuridão. O artista se esforça para criar uma unidade fluida. As bordas de uma pintura são estabelecidas por um gradiente de cor, pela mistura suave nos seus limites proporcionando um efeito geral brilhante e unificado
Neste caso a competência é demonstrada pela amplitude de tonalidades. Para obter um resultado agradável é necessário criar um esquema, ou chave tonal, correto.
Ao analisarmos a imagem, se o valor  ou tom determina quão clara ou escura é determinada área, a chave é encontrar uma escala tonal correta.
Isto fortalece a interação na composição proporcionando  o impacto emocional da imagem.
Quando se usa o degradèe a imagem se apresenta principalmente em tons claros sem as excessivas sombras escuras que são vistas em chiaroscuro.
Ocorre transição gradual e imperceptível  no ponto em que luz e sombra se unem. As cores são mais brilhantes e harmoniosamente equilibradas. É uma técnica de cores sem linhas duras,  que se mantém vibrantes apesar  de eliminar fortes contrastes tonais.
Rafael criou esta técnica quando procurou usar as qualidades do sfumato sem perder a vitalidade das cores.

CANGIANTE


No italiano cangiare significa mudar e resolve um problema que pintores sentem quando usam uma paleta de cores limitada ou restrita.
Criar contrastes de luz e sombra em cores como preto e cinza o resultado pode ser monótono. A solução  para quando o artista pretende clarear ou escurecer uma cor de forma mais vibrante foi mudar a tonalidade  trocando ou adicionando cor.
Desta forma consegue valores  mais intensos para o claro ou o escuro do que utilizando apenas a cor original.
Técnica criada por Giotto em (1266 -1337), foi muito detalhada por Cennino d'Andrea Cennini no Libro d'ella Arte.
Exemplo disto são as experiências citadas para sombrear tons de carne com azul ultramarine e terre verte.
Assim pretos e brancos podem ser trabalhados com várias cores enquanto cores puras  podem ser mesclada à pigmentos de cores análogas.
Adicionando novos tons à cores  pode-se alcançar valores mais vivos e interessantes.


Referências para Consulta:
The Modes of Coloring in the Cinquecento; What are the characteristics of renaissance art; Color and Meaning;  Practice and Theory in Renaissance Painting ; Color and Meaning: Practice and Theory in Renaissance Painting;Ten Steps—A Course in Botanical Art & Illustration-Volume 1;  My Art Teacher.








Nenhum comentário:

Postar um comentário